Agrupamento de Escolas da Lourinhã

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Agrupamento História
Get the Flash Player to see this player.
Índice do artigo
História do Agrupamento de Escolas da Lourinhã
Escola Secundária
EB Dr. Afonso Rodrigues Pereira
Todas as páginas

Escola Secundária

Na segunda metade do século XX, mais precisamente em 1951, iniciou-se um projecto pedagógico-administrativo que iria culminar na actual Escola Secundária.

No sentido de se proceder a um breve enquadramento desta trajectória educativa, na esfera do Ensino Secundário, foi seleccionado um intervalo de tempo compreendido entre os anos de 1956 e 2005.

Assume particular importância em todo este processo o Externato D. Luís de Ataíde, onde decorreram as primeiras aulas do Ensino Secundário. Situado nos números 2 e 4 da actual Rua Miguel Bombarda, este edifício faz esquina com a Rua António Maria Roque Delgado. Após cinco anos de actividades lectivas, ou seja, em 1956, o mesmo já apresentava “paupérrimas habitações oficialmente reprovadas”, embora dispusesse de um notável leque de disciplinas, tais como a Matemática, o Desenho e a Física, leccionadas pelo Dr. Virgílio Miguel Oliveira Pissarra, pessoa responsável pela sua criação e direcção. Completavam o programa curricular as disciplinas de Francês, Português, História, Geografia, Moral, Ciências Naturais, Físico-Químicas e Ginástica.

Para assegurar a continuidade de um tão “acreditado estabelecimento de ensino”, seria então construído um novo edifício escolar, uma vez que, tal como nos dias de hoje, se visava a qualidade da aprendizagem dos alunos. Perante um tão elevado grau de exigência, o painel docente, do qual faziam parte os Drs Mário Braga e Carlos Elias Costa Quintans, era caracterizado pelas mais “altas qualidades morais” e pela “apreciável soma de conhecimentos”, a par de uma “decidida vocação para o ensino”.

Consequentemente, a 8 de Dezembro de 1956, numa época em que os estabelecimentos de formação ainda eram uma extensão do lar, foi lançada a primeira pedra do Externato D. Lourenço , pelo Sr. António Gentil Horta. Este evento decorreu a 8 de Dezembro de 1956, tendo a benção sido executada pelo Rev. Padre António Pereira Escudeiro, Vigário da Vara.

Numa perspectiva de melhoria do ensino secundário, o Dr. Virgílio Pissarra apresentou à Câmara Municipal uma proposta que previa, segundo as suas palavras, “a constituição de uma sociedade por quotas, com juro, na qual já prometeu entrar o Sr. Dr. Mário Augusto Palma de Almeida Braga, com o terreno”. Estava assim formada uma comissão executiva e angariadora de fundos  que, embora beneficiasse da assistência da Câmara Municipal, lutava com enormes dificuldades económicas. Na verdade, no início de 1957, sucediam-se os apelos à participação dos munícipes e daí que o número de sócios não cessasse de aumentar. O futuro Colégio fazia parte do progresso desejado para a vila da Lourinhã e, por isso mesmo, devia “ser de todos, por todos e para todos”.

O novo Externato D. Lourenço transformara-se num “ponto de convergência da atenção geral” e a sua escritura, efectuada no dia 9 de Abril de 1958, tornara-o “propriedade da Igreja”, sob a alçada da qual permaneceria até 1972 . Cabia, pois, a esta Instituição garantir professores de comprovada qualidade intelectual, pedagógica, moral, de preferência casados, e manter uma disciplina que, com a colaboração dos pais, permitiria “um real complemento da educação familiar e social”.

Subordinado a este fundamento teórico-pedagógico, no dia 7 de Outubro de 1958, o novo espaço formativo-educativo abre as suas portas aos alunos do ensino diurno com o seguinte lema: “O Externato D. Lourenço, na risonha vila de Lourinhã, igualará os melhores estabelecimentos do ensino secundário do País. Mandar os filhos estudar para longe é gastar dinheiro sem melhor êxito”. O tom assertivo desta propaganda coaduna-se com a influência que então se procurava exercer a nível da população do Concelho, no sentido de suscitar a adesão de potenciais candidatos  que, doravante, teriam ao seu dispor o Curso Liceal, primeiro e o segundo ciclos, para ambos os sexos.

Com cerca de 100 alunos inscritos, uma nova mundividência escolar começa a florescer. Os pais são convocados para uma primeira reunião, em Fevereiro de 1959, sempre numa óptica de que a “escola é um complemento da formação e educação paternas.”

Entretanto, avizinhavam-se momentos conturbados que iriam conduzir a mudanças drásticas. No que concerne ao Externato da Lourinhã, a argumentação retórica do poder religioso tornava-se insuficiente para combater o movimento pró-ensino que se alastrava pelo país, e a Igreja vê perigar a missão para que fora criada.

Pertença do Patriarcado de Lisboa havia catorze anos, o Externato dentro em breve iria ficar sob a tutela do Estado. Instalara-se a polémica, porque o Estado, apologista do ensino gratuito, não se dispunha a financiar o ensino particular e, além disso, a Lourinhã era demasiado pequena para suportar os dois tipos de ensino envolvidos num esquema concorrencial que a própria Telescola viera agravar. Fechavam-se as portas de uma Instituição Escolar, por motivos económicos, renegando-se assim um projecto erigido com tanto esforço e entusiasmo.

Nem mesmo os responsáveis pelo ensino em Portugal conseguiram demover o Episcopado e o Ministro da Educação. Deste modo, a era do Ensino Particular terminara, após duas décadas e meia de actividade na Lourinhã.

Em Setembro de 1972, o Alvorada noticia, sem qualquer crítica, o aparecimento do Ensino Oficial considerado um instrumento “de construção da Lourinhã de amanhã”, inicialmente até ao 5º ano do Liceu, numa expectativa de alargamento ao 6º e 7º anos. De salientar que a reforma contemplava um Liceu Polivalente, que era considerado a Escola Ideal. De facto, no ano lectivo de 1972/73, com o Decreto nº 447/73, de 25 de Outubro, o estabelecimento de ensino particular passou a Liceu Nacional.

No dia 29 de 0utubro de 2001, foi assinado o Auto de Consignação, segundo o qual se valida a empreitada nº 109/2001 para construção do novo edifício da Escola Secundária. O terreno foi cedido pela Câmara Municipal da Lourinhã, cabendo à Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo custear a obra, orçamentada em cinco milhões, trezentos e noventa mil e setecentos e noventa e sete euros.

Em Setembro de 2005, a Escola Secundária instala-se no novo edifício, situado em Vale Geões, no limite nordeste da Vila da Lourinhã.

A Escola Secundária da Lourinhã, entretanto designada Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado, é a sede do Agrupamento de Escolas da Lourinhã, constituído em julho de 2010.

Texto elaborado  a partir de uma pesquisa levada a cabo pela Prof. Isabel Rolim.
Todas as citações se reportam a textos publicados no jornal "Alvorada".


 

Oferta Formativa 2018/19

oferta1819

Newsletter

Newsletter de janeiro

ARQUIVO

Novos Olhares

Novos Olhares - dezembro 2018

ARQUIVO

Biblioteca Escolar

logo_BE

Centro Qualifica

Centro Qualifica do AEL
desp_escolar

Associação de Pais

associação de pais

GIAE online

logo_GIAE

Autenticação


mapa do site

contactos

facebook

Webmail da ES da Lourinhã

Moodle da ES da Lourinhã

SICAE
© janeiro de 2018, Agrupamento de Escolas da Lourinhã